(86) 9983-4382
Apps

Postada em 01/03/2018 ás 08h08

Publicada por: Redação Fala Piauí

Câmara derruba maioria das exigências para apps de transporte
Câmara rejeitou emenda que retiraria dos municípios a competência exclusiva de regulamentar o transporte privado por aplicativos
Câmara derruba maioria das exigências para apps de transporte

A Câmara aprovou a emenda do Senado que exclui a necessidade de autorização emitida pelo poder público municipal para o motorista de aplicativos nos municípios em que houver regulamentação (Foto/Divulgação)

A Câmara dos Deputados derrubou a maioria das exigências do projeto que regulamenta os serviços de transporte privado por meio de aplicativos, como Uber e Cabify. De autoria do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), o projeto original exigia que os carros rodassem com placa vermelha, como a dos taxistas, e que os motoristas tivessem licença prévia para trabalhar no setor.

Após pressão das empresas do setor, o projeto foi alterado no Senado. Segundo as companhias, as restrições inviabilizariam a atividade, que gera renda hoje para cerca de 500 mil motoristas. Por conta das modificações, o texto voltou para a Câmara, que manteve a maioria das emendas do Senado.

A única emenda rejeitada, por 283 votos a 29, foi aquela que retiraria dos municípios a competência exclusiva de regulamentar os serviços de transporte privado por meio de aplicativos.

Dessa forma, continua com os municípios a atribuição exclusiva de regulamentar e de fiscalizar o serviço. Outras alterações ao projeto aprovadas pelo Senado foram mantidas na Câmara. Esse é o caso de necessidade de autorização prévia para o motorista atuar e a obrigação de o carro rodar com placa vermelha.

Por 227 votos a 166 e 11 abstenções, a Câmara aprovou a emenda do Senado que exclui a necessidade de autorização emitida pelo poder público municipal para o motorista de aplicativos nos municípios em que houver regulamentação.

“O resultado retira uma proibição estatizante e velada semelhante a alvarás que permitiriam os municípios proibir o serviço ou restringir o número de autorizações aos motoristas parceiros para prestar o serviço”, diz a Cabify sobre a exisgência da licença prévia.

O plenário aprovou a emenda que retira a a obrigatoriedade de o motorista vinculado ao aplicativo ser o proprietário, fiduciante ou arrendatário do veículo, assim como de este possuir placa vermelha (registro e emplacamento na categoria aluguel). A emenda foi aprovada em votação simbólica.

Para a Cabify, isso garante que o motoristas parceiros de aplicativos possam utilizar seus veículos particulares para gerar renda.

Uber e 99 também elogiaram o resultado da votação de hoje. “Em vez de proibir, o texto regulamenta a atividade dos motoristas parceiros e organiza critérios para os aplicativos operarem”, afirma a Uber.

Para a 99, a votação representa a vitória de toda a sociedade. “A regulamentação como foi aprovada garante a continuidade de um serviço de qualidade que gera oportunidade de renda para mais de 500 mil motoristas e dá acesso à transporte democrático e eficiente a 17 milhões de brasileiros.”

Divergência

Ficou claro durante a discussão do projeto que os deputados estavam divididos sobre o projeto. O relator da proposta, deputado Daniel Coelho (PSDB-PE), defendeu a possibilidade de os cidadãos escolherem que tipo de transporte desejam utilizar. Ele propôs a rejeição de emendas que podem inviabilizar os aplicativos em favor do táxi, como a obrigatoriedade de placa vermelha ou de autorização prévia.

Já o deputado Silvio Costa (Avante-PE) defendeu a regulamentação da atividade pelo poder público. “É preciso que a prefeitura autorize e, para saber quantos uberistas existem em cada município tem que colocar placa vermelha”, disse.

Autor da proposta, o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), negou que o objetivo seja inibir o funcionamento dos aplicativos. Ele disse que a regulamentação virá para garantir a sustentabilidade do sistema. “Nós estamos assistindo já ao aumento de congestionamentos por conta do aumento do número de veículos em todos os horários na cidade”, criticou.

O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou que as exigências não se compatibilizam com os aplicativos de transporte. “Ao exigir licenças individuais e placa vermelha, vamos trazer para essa modalidade o vício que existe no táxi. Hoje, o que temos de mudar é a regulamentação do táxi, já que os motoristas não são donos da licença, mas pessoas que alugam a placa”, disse.

Já o deputado Edmilson Rodrigues (Psol-PA) defendeu a regulamentação do serviço de aplicativos de mobilidade pelos municípios, inclusive restabelecendo a necessidade de autorização prévia. Ele criticou, no entanto, a exigência de placa vermelha.

O deputado Thiago Peixoto (PSD-GO), por outro lado, afirmou que as autorizações prévias e placas vermelhas vão acabar com o trabalho dos aplicativos. “Não podemos barrar as inovações com retrocesso, mas discutir como melhorar as situações de trabalho dos taxistas, pensando no cidadão”, disse.

(Com Agência Câmara)

Receba notícias do 'falapiaui.com' através do WhatsApp

Fala Piauí no Facebook:
imprimir

Veja também

»
© Copyright 2018 - Fala Piauí - Todos os direitos reservados - E-mail: [email protected]
Site desenvolvido pela Lenium