Quarta, 18 de Maio de 2022
Municípios Redenção do Gurguéia

MPPI ingressa Ação Civil Pública contra a Prefeitura de Redenção do Gurguéia

O Promotor de Justiça destacou que houve diversas tentativas do MPPI para sanar tais irregularidades, por meio de inquérito civil, nos autos do qual recomendava-se inclusive a anulação do contrato. Porém, o prefeito da cidade informou que não acataria a orientação.

29/04/2022 às 17h49 Atualizada em 29/04/2022 às 17h50
Por: Róbson Ferreira Fonte: MPPI
Compartilhe:
MPPI ingressa Ação Civil Pública contra a Prefeitura de Redenção do Gurguéia

 

         O Ministério Público do Estado do Piauí, por meio da 2ª Promotoria de Justiça de Bom Jesus, ingressou, nesta terça-feira (26), com ação civil pública com pedido de tutela de urgência em face do município de Redenção do Gurgueia e do escritório “Ismael Paraguai de Advocacia”, alegando aplicação indevida de inexigibilidade de licitação na contratação do referido escritório para prestação de serviços no município. A ACP foi assinada pelo Promotor de Justiça Márcio Giorgi Carcará Rocha.

        O Ministério Público tomou conhecimento do fato por meio de uma publicação no Diário Oficial dos Municípios. A Prefeitura de Redenção do Gurgueia contratou, via inexigibilidade de licitação, o escritório para diversas atividades, como a elaboração de pareceres e recomendações sobre processos de natureza administrativa, política e jurídica, bem como suporte técnico ao chefe do executivo. O contrato teria o valor estimado em R$ 78.000,00.

       O Ministério Público, na análise da documentação, entendeu que o serviço contratado é de natureza genérica, não havendo projetos ou demandas específicas para que seja necessária tal contratação de assessoria jurídica por meio de inexigibilidade de licitação. A Lei de Licitação e Contratos Administrativos prevê ser inexigível a licitação só quando for inviável a competição, como no caso da contratação de serviços muito especializados. O MP destacou também que houve inobservância aos princípios da impessoalidade e da moralidade, pois o contratado atuou como Procurador Adjunto do Município desde 2017, sendo exonerado do cargo apenas 23 dias antes de assinar a contratação do serviço.

        O Promotor de Justiça destacou que houve diversas tentativas do MPPI para sanar tais irregularidades, por meio de inquérito civil, nos autos do qual recomendava-se inclusive a anulação do contrato. Porém, o prefeito da cidade informou que não acataria a orientação.

    Em face do exposto, o Ministério Público requereu judicialmente a suspensão e a anulabilidade do contrato, a apresentação de respostas dos réus perante tais irregularidades e a obrigação do município de Redenção do Gurguéa de não contratar ou adquirir qualquer outro serviço mediante inexigibilidade de licitação, sem justificativas prévias.

       Por fim, o MP ressalta que tal atitude afronta claramente os princípios orientadores dos procedimentos de contratação pública, como isonomia, moralidade, ampla competitividade, livre iniciativa e economicidade, reconhecendo, ademais, que há um privilégio à empresa que tenha em seu quadro societário um integrante que possui vínculo com o órgão promotor da licitação.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Redenção do Gurguéia - PI
Redenção do Gurguéia - PI
Sobre o município Notícias do Município de Redenção do Gurguéia
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias